Marchando pela ética evangélica brasileira na Marcha para Gezuiz

Antes de ler esse artigo, eu lhe convido a assistir ao vídeo abaixo. É a oficialização do Dia da Marcha para Jesus, sancionado pelo presidente Lula na presença de “personalidades” evangélicas e políticos.

http://www.youtube.com/watch?v=QeLSxmq2U2g&feature=player_embedded

No próximo dia 2 de novembro se realizará, aqui na capital de São Paulo, mais uma edição da Marcha para Jesus. Essa edição é bastante especial, pois é a primeira após sancionada a data e também “comemora” a volta do casal Hernandes ao Brasil após “férias prolongadas” nos EUA. Também marca a reconstrução da sede da Igreja Renascer em Cristo, que literalmente caiu, matando 9 pessoas e ferindo centenas.

Mas a importância dessa marcha não pára por aqui. Ela ocorrerá no ano em que o Pr. Pai Dinah Morris Cerullo, com a conivência e total apoio do Pr. Silas Malafaia, lançou a profetada da unção financeira dos R$ 900,00. Nesse ano outros líderes também se utilizaram de numerologia para aumentar a arrecadação e aprisionar os fiéis em suas denominações, com promessas de bênçãos sem fim. O Pr. Marco Feliciano, por exemplo, lançou a campanha da oração dos 7 minutos antes da meia-noite, com oferta de R$ 7,00 (cada líder usa o número que acha mais bonitinho).

Esse está sendo o ano da vitória financeira para muitos ministérios. O Paipóstolo Terra Nova, por exemplo, conquistou seu aviãozinho particular, e o Bispo Edir Macedo continua faturando muito com sua igreja, inclusive tendo que responder à várias denúncias, entre as quais a da injetar dinheiro dos fiéis para alavancar sua Rede Record.

Esse foi mais um ano em que a Igreja se deixou levar pelas promessas de satanás, que disse a Jesus em Mt 4.9: “Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”. Mais uma vez nos curvamos a doutrinas espúrias e ao gnosticismo. Novamente a igreja se deixou levar pelas promessas de facilidades para quem se sujeita a um deus que dizem se chamar Cristo, mas que não corresponde à descrição que Lhe é feita na Palavra de Deus. Continuamos buscando as igrejas não para obter salvação, mas sim a solução de nossos problemas financeiros, de saúde, realização dos nossos sonhos, reconhecimento acima dos demais. Em nossa cegueira não buscamos mais a Jesus, mas aos homens que dizem intermediar essa relação através de copos com água, lenços suados, amuletos de toda a sorte. E marchamos não para Cristo, mas para que essas lideranças todas sejam glorificadas, afinal graças a elas e suas mega-igrejas é que há tantos que se dizem evangélicos na marcha (convencidos sim, convertidos apenas muito poucos).

Segundo profetada do líder da Renascer e seus asseclas, este é o Ano Apostólico de Davi. Pensando bem, de repente seja uma profecia verdadeira…

Davi era um homem com um coração agradável a Deus. Era o menor dentre seus irmãos, mas foi o escolhido por Deus para reinar em Israel. Pequeno, franzino, venceu o gigante Golias com uma funda e uma pedra, motivado pela ira santa ao ver o nome de Deus sendo afrontado. Foi perseguido por anos antes de se tornar rei, e mesmo depois, até pelos de sua própria casa. Mesmo quando pego em erro, teve a humildade de reconhecê-lo e de se arrepender publicamente. Mais do que um rei, Davi foi um inconformado com esse mundo.

Segundo os Hernandes (que simbolizam bem o culto a Mamom praticado sutilmente por muitas igrejas evangélicas brasileiras), este é o ano de Davi. Como Davi, nós, povo cristão que não suporta mais ouvir o nome de Deus ser afrontado pelos “Golias” da fé, temos que fazer alguma coisa. Nossa funda e nossa pedra são a nossa indignação, expressa em mensagens em camisetas e faixas, à vista de todo o exército filisteu ao nosso redor.

Dia 2 de novembro de 2009 pode ser um dia histórico para a Igreja evangélica brasileira. Pode ser histórico por confirmar a vitória dos líderes e profetas de Mamom, que se utilizam de Deus e do povo sem esperanças para que seus objetivos espúrios sejam realizados. Pode ser histórico por sepultar de vez todas as vozes contrárias à essas lideranças, que demonstrarão todo o seu poderio e prestígio através do grande número de ingênuos participantes usados como massa de manobra religiosa e política. Pode ser histórico por enterrar de vez todas as acusações contra esses líderes, afinal a grandeza do evento mostra que Deus está com eles e que jamais se deve sequer ousar em pensar algo contra um ungido do Senhor, levando assim mais e mais pessoas à escravidão mental e espiritual.

Mas o dia 2 de novembro de 2009 pode ser histórico por ser a data em que centenas e até milhares de cristãos, que estavam escondidos em cavernas por serem impedidos de pensar contrariamente aos ensinos de qualquer liderança religiosa, por mais absurdos que fossem, sairão às ruas em meio ao exército filisteu e, como Davi, bradarão:

“Quem são, pois, esses adoradores de Baal e de Mamom, para afrontar os exércitos do Deus vivo?” (adaptação livre de 1 Sm 17.26)

A escolha é nossa. Poderemos assistir à Marcha para Jesus confortavelmente em nossas poltronas, escondidos em nossas cavernas, e tudo continuará como sempre. Mas poderemos também estampar nossa indignação em nossas camisetas e faixas, e mostrar ao Brasil e ao mundo que há uma verdadeira Igreja, formada por cristãos de diversas denominações, irmanados pelo amor de Cristo e pela observância de Seus ensinamentos, que se resumem no amor à Deus e ao próximo, à busca do Seu Reino e da Sua Justiça, mesmo que isso signifique sofrer perseguições, passar fome, frio, necessidades. Já dizia o escritor do livro de Hebreus:

“Pela fé Moisés, sendo já grande, recusou ser chamado filho da filha de Faraó, escolhendo antes ser maltratado com o povo de Deus, do que por um pouco de tempo ter o gozo do pecado; tendo por maiores riquezas o vitupério de Cristo do que os tesouros do Egito; porque tinha em vista a recompensa”. Hb 11.24-26

“E que mais direi? Faltar-me-ia o tempo contando de Gideão, e de Baraque, e de Sansão, e de Jefté, e de Davi, e de Samuel e dos profetas, os quais pela fé venceram reinos, praticaram a justiça, alcançaram promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a força do fogo, escaparam do fio da espada, da fraqueza tiraram forças, na batalha se esforçaram, puseram em fuga os exércitos dos estranhos. As mulheres receberam pela ressurreição os seus mortos; uns foram torturados, não aceitando o seu livramento, para alcançarem uma melhor ressurreição; e outros experimentaram escárnios e açoites, e até cadeias e prisões. Foram apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados (dos quais o mundo não era digno), errantes pelos desertos, e montes, e pelas covas e cavernas da terra”. Hb 11.32-38

Poderemos ser centenas ou milhares no dia 2 de novembro, proclamando o retorno da Igreja brasileira à ética cristã, ao Evangelho puro e simples, escancarando os falsos cristos e falsos profetas e proclamando a salvação em Cristo Jesus.

Não sei quantos seremos ou o que poderá surgir a partir disso. Só posso garantir uma coisa: pelo menos uma faixa de indignação aos profetas de Baal e de Mamom haverá naquele evento, sustentada por um casal de cristãos sem “igreja”, sem títulos, sem honras ou glórias eclesiais, mas apenas uma grande ira santa e temor e amor por Deus. Estarão vestindo camisetas pretas com os seguintes dizeres: “Marcha pela Ética Evangélica Brasileira – O $how tem que parar!” (frente) e “O amor ao dinheiro é a raiz de todos os males, e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé” – 1 Tm 6.3-10 (costas). Mas creio que, pela Graça e misericórdia de Deus, não haverá apenas um casal, mas todo um exército contra a afronta babilônica à Noiva de Cristo, cada qual com sua mensagem de indignação e disposição para apanhar dos mais “apostólicos”, dos que morrem por suas denominações mas não têm coragem de morrer em seu orgulho, ganância e vaidade pelo Verdadeiro Cristo.

“E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. – Rm 12.2

Anúncios
Esse post foi publicado em Igreja e igreja e marcado , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Marchando pela ética evangélica brasileira na Marcha para Gezuiz

  1. Délcio disse:

    A Paz do Senhor Jesus,

    E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos (Mateus
    24:11)

    Parabéns pela matéria, se souber como eu consigo uma camiseta da Ética Evangélica Brasileira, agradeço.

    Deus Abençoe.
    Délcio

    • pedrasclamam disse:

      Irmão Décio, Paz do Senhor.
      Infelismente não estamos vendendo a camiseta, muitos tem pedido, liberamos a todos e todas interessados, o modelo esposto nos blogs, para que todos tenham a liberdade de confecciona-la conforme desejarem. Este movimento é marcado pela liberdade, pois entendo que assim nasce o evangelho puro e simples. “Se verdadeiramente o Filho do homem vos libertar, sereis livre”. Buscamos o evangelho que caminhe primeiramente em liberdade, assim podemos ver todas as demais coisas, como a justiça, a paz, e o amor de Deus, conquistados na cruz, pelo Senhor Jesus.
      Deus lhe abençõe.

      Paulo Siqueira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s