Uma triste expectativa para a Igreja Brasileira: a era de Laodiceia

rene“Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!
Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.” – Apocalipse 3:15,16

No dia 10 de setembro nós do MEEB (Movimento pela Ética Evangélica Brasileira) estivemos no Congresso Estadual M12SP, no Estádio da Portuguesa em São Paulo. Esse evento é liderado pela autointitulado Apóstolo-Patriarca Renê Terra Nova, criador de mais um processo metodológico de crescimento para igrejas, onde os cultos nos lares reproduzem as teologias místicas do líder referido.

Nesse evento, o Apóstolo-Patriarca trataria da “Reforma”, que para ele parte do “manto apostólico” gerando avivamento. Meu Deus! O que seria tudo isso?

Estivemos na porta de entrada com nossas faixas, camisetas e folhetos, no intuito de chamar a atenção e despertar o povo para uma consciência essencialmente cristã. O texto que vos apresento é uma reflexão diante do que vi e ouvi naquele lugar.

Primeiramente, não posso negar: Renê Terra Nova e sua nefasta teologia atrai pessoas, principalmente jovens. Porém, a questão aqui é refletir sobre essas pessoas.

mir1

Lamentavelmente, o conhecimento bíblico e sua reflexão é o que menos importa nesses ambientes. Algumas pessoas até concordam que a Igreja precisa passar por transformações, porém não permitem, em hipótese alguma, que alguma crítica seja feita à sua liderança e muito menos que as ideologias ali pregadas sejam contestadas ou colocadas à prova. Essas pessoas estão sob a influência da Teologia do Medo, fundamentada no texto de 1 Samuel 26, na triste crônica do “não toqueis nos ungidos”. Também na famigerada Teologia da Prosperidade, que se fundamenta nas obrigações de Deus de abençoar o fiel que oferta e dizima. Essas teologias trazem uma atmosfera mística, mágica, como se um anjo fosse pousar no referido local de culto.

O que se observa nesses ambientes são pessoas num certo transe, movidas por uma perspectiva de algo grandiosamente sobrenatural. O triste de tudo isso é que nesses eventos temos um número incontável de adolescentes e jovens, envolvidos por essas lideranças e por esses propósitos.

Por isso minha reflexão nesse texto é de uma triste expectativa para a Igreja Brasileira, pois no Brasil temos vários segmentos dessa mesma realidade. Renê Terra Nova chama sua metodologia de Mir12, porém temos outras variantes, por exemplo o Movimento Celular do Cesar Castelhanos (G12), o MDA de Santarém (PA), agora temos igrejas históricas com suas cópias e transformações da metodologia, enfim, temos muitas igrejas envolvidas com esses métodos que têm como única finalidade produzir números, tanto de frequentes como de arrecadação financeira para as diversas instituições religiosas.

pastor-e-dinheiroPor que essa perspectiva é ruim, a meu ver?

Porque essas pseudoteologias não se fundamentam na Palavra de Deus. Não são cristocêntricas. Fundamentam-se numa fonte de entretenimento e não numa fonte de espiritualidade.

Lideranças como Renê Terra Nova não representam o caráter cristão, que era a marca predominante dos verdadeiros apóstolos de Cristo. E o lamentável, Renê Terra Nova está conseguindo reproduzir suas ideias e sua metodologia, cegando a muitos.

Muitos jovens querem se espelhar em Renê e demais lideranças.

O que esperar de uma igreja que tem suas bases não fundamentadas na Palavra, e que se fundamenta no entretenimento, no lucro e no crescimento numérico?

Triste, mas estamos plantando ervas daninhas nos pastos verdejantes do Senhor. Isso não vai acabar bem.

A Igreja está entorpecida com os elementos da pós-modernidade. A Igreja está trocando o Eterno pelo momentâneo, pelo passageiro. Os cultos promovidos pelo Renê e sua turma objetivam o consumismo e perpetuam os valores terrenos, ou seja, preciso comer o melhor dessa terra. Mas muitos se esquecem que o Senhor Jesus nos ordenou a não ajuntarmos tesouros nessa terra.

Infelizmente, essas metodologias tiram a Igreja de sua verdadeira essência, que é transformar o caráter do ser humano, fazendo-0 uma nova criatura em Cristo Jesus.

Temos muita emoção, porém pouca razão. Muita música, muita dança, muito pulo, muitos gritos, porém pouca espiritualidade. E quando se pensa que há uma espiritualidade, essa aparente espiritualidade é fruto de técnicas neurolinguísticas, hipnose, transes coletivos, ou seja, uma esquizofrenia coletiva, com ares de uma espiritualidade.

Se você for dialogar com as pessoas que participam desses eventos, a resposta é sempre a mesma: “foi tremendo”. Como se estivessem em transe. Porém, muitos se esquecem de que o verdadeiro sentido do genuíno cristianismo está na transformação dos seres humanos no seu cotidiano. Ou seja, novas criaturas que refletem os valores cristãos nas suas atividades diárias, seja no trabalho, seja na família, ou seja, em toda a sociedade.

Nesse sentido, esses eventos não refletem a realidade do nosso país, onde o pecado reflete os altos índices de corrupção, de violência, de uso de substâncias tóxicas, lícitas e ilícitas, a má qualidade da nossa política e  dos nossos políticos e, consequentemente, a má qualidade das nossas igrejas, que também nesse contexto reproduzem uma péssima teologia, teologia essa quase inexistente, pois no nosso país as teologias produzidas só existem para os interesses daqueles que a produzem.

O reflexo disso são as nossas universidades. Todas possuem donos, onde se ensinam as teologias de interesses. Essa é a razão de termos comunidades eclesiásticas de interesses.

Tudo isso são reflexos de uma era pós-cristã. Isso mesmo. Estamos vivendo dias de um pós-cristianismo, pois as igrejas e suas lideranças não mais se importam com as essências do Cristianismo.

Vivemos um momento onde não importa o certo, mas sim o que dá certo, o que dá lucro, o que dá crescimento, o que dá resultado. Lamentavelmente, a cultura do jeitinho brasileiro adentrou nossas igrejas, influenciando as lideranças e também a membresia. O importante é que estou recebendo a bênção, não importa se é fruto de heresias, se é fruto de hipnose, de transe ou pura emoção. O importante é a bênção.

Muitos são os cristãos que frequentam essa realidade há anos e nada sabem sobre a volta de Jesus, sobre o julgamento de cada individuo diante do trono de Deus. Muitos jamais leram os primeiros capítulos de Apocalipse, onde o Senhor avalia as igrejas, numa linguagem também futurística, prevendo a realidade das igrejas da modernidade.

Diante desses textos, classifico que estamos na era de Laodiceia, onde a igreja não é quente nem fria, é morna, morna porque tem uma aparência de santa, porém é extremamente pecadora, pois não é dependente de Deus, mas sim de homens. Morna porque sua espiritualidade é falsa, pois suas essências são momentâneas, são passageiras, são emocionais, fruto de metodologias e entendimento puramente humanos, ou seja, irreais e falsos. Morna porque seu crescimento não se fundamenta em almas convertidas, transformadas pela ação do Espírito Santo através da Palavra genuína de Deus. Morna porque busca o lucro, que se fundamenta nas riquezas deste mundo e seus valores que produzem desigualdades e o sofrimento de muitos.

laodiceia1À Igreja de Laodiceia restou ao Senhor vomitá-La.

Confesso que diante do que tenho visto nesses últimos anos, participando de diversos eventos, também estou nauseado, também sinto vontade de vomitar. Talvez faça isso em forma de palavras, porém é minha tentativa de despertar e conscientizar alguns de que a Igreja de Cristo não é isso o que estamos vendo, pois a Igreja Genuína persevera na Palavra, persevera na comunhão, tem tudo em comum, é dependente totalmente de Deus e por isso luta pela justiça, pela verdade e pela paz.

E acima de tudo, é solidária, é piedosa, não vive para os seus próprios prazeres, mas vive pelo próximo, luta pela vida. Não tem seus pés fixados nesse mundo, mas ao contrário, almeja a casa que o Senhor foi nos preparar junto ao Pai.

Ou seja, a nossa verdadeira morada.

Minhas expectativas são de que muitos ainda serão despertados, porque minhas expectativas estão fundamentadas na Palavra de Deus. É Nele que creio e confio.

Quem tem ouvidos, que ouça a voz do Espírito Santo.

Paulo Siqueira

Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Uma triste expectativa para a Igreja Brasileira: a era de Laodiceia

  1. Marcelo disse:

    Infelizmente o objetivo de muitos “lideres hodiernos” não é a preocupação em acrescentar pessoas ao conhecimento de Cristo nem sobre há salvação e consequentemente sua volta , mas sim voltados aos interesses próprios, poderes,bens ou seja um negocio um investimento que dê certo independente dos meios mesmo sabendo que estão extorquindo com mentiras enganos e blasfêmias…como bem classificado por você (estamos na era de Laodiceia)

  2. Ana disse:

    A igreja evangélica brasileira, se corrompeu com as heresias e a mercantilização da fé. Eu to fora deste sistema religioso que não me representa. A nação padece em todas as esferas, porque a igreja deixou de ser sal e luz na terra. Diante disso, as trevas se estendem para todos os setores da sociedade, principalmente na política, na religião e nos tribunais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s