Pecados ocultos: o grande entrave para a ação do Espírito Santo

lobo3“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que sois semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia.
Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas interiormente estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade.” – Mateus 23:27,28

Antes de iniciar esse artigo, gostaria de expressar que, por um período de tempo, exerci meu ministério pastoral na evangelização de povos marginalizados, em específico detentos, prostitutas, travestis, usuários de drogas e álcool. Um período bastante trabalhoso, que acredito me habilitou a entrar no cerne do grande obstáculo da Igreja e do Corpo de Cristo, que é o pecado oculto.

Lamentavelmente, muitos são os que vivem uma vida aparente em suas comunidades de fé.

Atualmente, uma espiritualidade plena se tornou algo até mesmo vulgar em alguns meios religiosos. A grande dificuldade dos ditos cristãos, e não é de hoje, é conciliar a vida cotidiana com a plenitude da espiritualidade segundo as Escrituras.

Tiago, no primeiro capítulo de sua carta, exorta-nos a não ser meramente ouvintes, mas também praticantes das Sagradas Escrituras.

Diante do caos urbano em que vivemos, não é difícil ver muitos cristãos exercendo, em seu cotidiano, uma vida além dos frutos do Espírito, a que Paulo se referiu em suas epístolas.

Afinal, por que muitos cristãos, por mais que frequentem uma comunidade, por mais que ouçam os sermões, não conseguem viver na prática a plenitude da Palavra?

Primeiro ponto: a vida cotidiana na metrópole é cheia de descaminhos, que nos impulsionam a viver num vício coletivo. E muitos não conseguem impor os seus valores cristãos na sua cotidianidade.

É aquele crente que no dia de trabalho não consegue exemplificar sua fé diante dos maus hábitos e do linguajar deturpado dos que estão ao seu redor. Em pouco tempo, está impregnado dos palavrões, da violência, da sensualidade e da lascívia dos que o rodeiam.

Segundo ponto: a influência cultural.

Num país como o Brasil, temos a cultura da violência, a cultura da discriminação, a cultura do racismo, o menosprezo aos mais pobres, aos mais velhos, à mulher, às crianças, aos deficientes e aos valores religiosos, educativos, políticos e a todo tipo de autoridade. Com isso, os valores cristãos se tornam mais um pequeno valor a ser reverenciado.

Se unirmos o primeiro ponto ao segundo, veremos que a realidade religiosa em muitos segmentos se perdeu diante da chamada cultura popular.

lobo1Mas o ponto central não são os que sucumbem diante dos vícios cotidianos e da cultura popular, mas sim os que aparentemente vivem uma espiritualidade plena, porém no seu interior são totalmente contrários à sua imagem exterior.

A vida moderna na metrópole dispõe aos indivíduos, através da tecnologia e seus meios virtuais, as possibilidades para que o indivíduo possa viver diferentes vidas. Muitos, diante dessa realidade, encarnam diversos personagens. Em casa, é o pai, o esposo respeitador. Na empresa, o profissional fino, recatado, respeitador. Na igreja, o líder, o membro que todos têm por referência. Porém, no trânsito, nas redes sociais, nas ruas escuras ele assume os seus reais personagens.

Esse é o reflexo dos inúmeros pedófilos, estupradores, ladrões, adúlteros, bissexuais, psicopatas e demais perversidades. Muitos são os casos de professores, médicos, dentistas, pastores, padres, policiais que são descobertos em atos jamais imaginados para a prática dessas profissões, que têm como essência a confiança.

Lamentavelmente, o ser humano tem em seu interior um lado obscuro, que muitas vezes nem mesmo os processos religiosos parecem transformar. Dentro do contexto evangélico, isso também não é diferente.

Jesus fez questão de frisar que, no contexto judaico, a prática do pecado oculto era uma realidade. No versículo citado no início, Jesus não poupa palavras para especificar que a prática do pecado oculto deteriora o ser humano de uma forma bastante abrangente, pois para viver em pecado oculto, é preciso deturpar os valores existentes, se aprofundar em uma vida de mentiras, chegando a uma hipocrisia que faz com que todos os valores interiores se deturpem.

O exemplo do sepulcro é bastante abrangente, pois deterioração interior vai levando, aos poucos, a uma vida totalmente doentia.

Para a comunidade de fé, os membros em pecado oculto são totalmente prejudiciais à estrutura, pois paralisam e impedem a ação do Espírito Santo, pois o Espírito Santo não habita em templos impuros. Igrejas nessas condições se tornam engessadas, paralisadas, sem vida. Por isso, o exemplo do sepulcro vem bem a calhar.

Lamentavelmente, em minha vida ministerial gostava muito mais de visitar presídios, casas de prostituição, do que muitas igrejas, pois no presídio eu sabia quem era quem. Uns eram ladrões, outros assassinos, outros estelionatários, etc. Porém, em muitas igrejas não é possível saber quem é quem na sua realidade, pois muitos, por já estar tomados por seus personagens, não conseguem mais tirar a máscara, mesmo estando na igreja.

lobo2Se a Igreja está dessa forma, fica fácil entender o porquê vivemos em uma sociedade onde o caráter, a honestidade, o respeito, o amor ao próximo estão tão superficiais. Lamentavelmente, muitos são os que esfriaram tanto na fé que não conseguem mais voltar ao princípio das coisas.

Muitos pregam, oram, cantam, louvam vivendo um personagem sem o menor temor do Deus vivo.

É triste. Mas a iniquidade tomou conta de muitos seres humanos, que não sabem mais o caminho de volta para uma vida às claras com Deus e Seu Espírito.

A quem quer que esteja nessa situação, a saída é:

ARREPENDA-SE! Confesse o seu pecado e deixe-o, e volte-se para Deus o quanto antes.

Deus é misericordioso e amoroso para com os contritos de coração. Mas Ele é justiça verdadeira para os que querem viver como pedras de tropeço à Sua obra.

“Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarào.
E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.
E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.
Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo.” – Mateus 24:10-13

 

Esse post foi publicado em igreja e cotidiano, Igreja e igreja, Igreja e Sexualidade e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Pecados ocultos: o grande entrave para a ação do Espírito Santo

  1. Jose Almeida disse:

    A cada dia vejo o que o irmão está falando aí no Brasil,eu vivo nos Estados Unidos,e aqui está é pior,pois a cultura de aqui faz transformar as pessoas em verdadeiros Zumbis Cristão. Eu sou judeu/messiânico e o que posso disser a vocês é que o termo que (Yeshua) disse “Iniquidade” do grego ANOMIA, nada mais quer dizer que,transgredir a lei,violar a justiça de Hashem. E antes de ser nomeado um legalista todos tem que entender que o estado que muitos estão, é somente por causa da fuga dos princípios uma vez ordenados. SHALON

    • Verdade Almeida, cristãos nominais apenas; não são “íntegros”, ou seja, por inteiro do Senhor (Adonay). Isso fica claro no Salmo 101:6-8 “Os meus olhos estarão sobre os fiéis da terra, para que se assentem comigo; o que anda num caminho reto, esse me servirá.
      O que usa de engano não ficará dentro da minha casa; o que fala mentiras não estará firme perante os meus olhos. Pela manhã destruirei todos os ímpios da terra, para desarraigar da cidade do Y’H’W’H todos os que praticam a iniquidade”. (Bíblia Peshitta)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s