Sexualidade Humana e Experiência Religiosa

mulherrosa1Introdução
O texto apresentado é de enorme relevância para o contexto pastoral, pois não há tema tão controverso dentro do contexto religioso como a sexualidade humana.

Tive a felicidade de participar da IX Semana de Estudos da Religião, onde o texto foi produzido. Tive a oportunidade de conhecer o Prof. Edênio e participar da palestra que originou esse texto.

A Igreja, dentre os desafios do cotidiano envolvendo os eclesianos e a vida comunitária, se encontra sem respostas para tamanho desafio. O desafio de responder às dúvidas e anseios dentro do contexto cultural, envolvendo a sexualidade, é um desafio tanto da ciência, como da educação e também dos setores políticos de todas as nações.

A sexualidade muitas vezes é o centro de muitos problemas sociais, sendo um grande paradigma para o Estado e para a Igreja encontrar soluções.
O texto do Prof. Edênio tem sua relevância dentro desse contexto, pois não é a solução para todos os males. Porém, de forma clara e objetiva, demonstra caminhos a serem percorridos dentro desse desafio.

1. A figura da mulher
O tema da sexualidade não seria tão controverso em diferentes culturas sem a figura da mulher. A mulher é o grande centro de toda a agressividade das indústrias midiáticas, que a exploram, através de sua imagem, a moda, a pornografia, invertendo valores culturais, religiosos, trazendo de forma bastante obscura uma ética muito controversa com os valores humanos contidos nas declarações dos direitos humanos e também na Bíblia.
O Prof. Edênio, no texto, nos diz que superar o fosso que existe entre o pensamento secularizado e o pessimismo do mundo real, e os valores do Evangelho, é o grande desafio daqueles que pensam em prol de um mundo melhor. Ele diz que a Igreja fala para um mundo que não mais existe, ou para pessoas que não querem ouvi-la. A mensagem da mídia penetra com mais profundidade, pois a figura da mulher é demonstrada através do corpo.

A conversa moderna sobre o sexo ser livre como qualquer outro sentido, sobre o corpo ser belo como uma árvore ou uma flor é uma descrição do Jardim do Éden, ou um exemplo de psicologia totalmente errada, da qual o mundo se cansou há muitos anos. O conhecimento se multiplicou em todas as áreas. A filosofia mudou, o Ocidente e as religiões urbanas, em qualquer parte do mundo, são influenciadas pelas transformações.

O feminismo, a liberação gay, fazem parte dessas transformações que envolvem tanto a moralidade pública como a privada, e nessas transformações vêm a figura da mulher como principal veículo de propagação de paradigmas com respeito à sexualidade.

2. O que é sexualidade?
O Prof. Edênio aborda em seu texto que a sexualidade é a dimensão masculina ou feminina que implica à personalidade total de cada indivíduo, desde o primeiro instante de sua concepção e ao longo de todo o seu desenvolvimento ulterior. O homem não tem sexo, ele é sexo.

No texto, ele destaca que há uma espécie de osmose entre sexualidade e existência. Não se pode imaginar um humano sem sexualidade, sem o Eros, a philia e o ágape. Um ser humano sem essas três dimensões é tão impensável quanto um ser humano sem sentimentos ou sem inteligência.

A sexualidade, por ser parte integral do ser humano, está presente também na Igreja, e é na Igreja que encontra os maiores desafios.

3. Sexualidade e experiência religiosa
Para muitos, a palavra santificação é desprovida de sexualidade, ou melhor, a santificação é a total resignação da sexualidade. No contexto católico, acredita-se que com o refúgio para os mosteiros, para os remotos cantos do mundo em constante oração e leituras dos textos sagrados, é possível vencer a carne e prevalecer o Espírito. No contexto protestante, principalmente no pentecostal, as cartas paulinas são a base para um total afastamento da sexualidade.

Não há respostas para isso. A Igreja não sabe responder a seus fiéis como agir com a experiência religiosa e sua sexualidade, e nisso encontramos enormes problemas, principalmente no ponto central da vida humana, que é o relacionamento.

A sexualidade se tornou um ponto a ser esclarecido. Busca-se a solução. Com as Igrejas tendo em sua maioria de membros as mulheres, o tema se torna mais desafiador, pois a figura da mulher é o grande desafio para a Igreja.

O que fazer quando a sexualidade envolve gênero, cultura, e principalmente má-interpretação e utilização do contexto bíblico? A Bíblia se tornou o grande entrave, principalmente para os contextos religiosos. Para os católicos, o ventre é sagrado, a mulher não tem escolha, a Igreja determina. Quanta controvérsia ao longo da história, em decorrência da pílula anticoncepcional! Ou do uso do preservativo, pontos que marcaram a sociedade por décadas, e até hoje, quando se trata de aborto ou da recém utilização das células-tronco.

O grande desafio, tanto para o movimento feminista como para teólogos, sociólogos, é descobrir como inserir a sexualidade na vida humana.
Em nosso contexto, outro ponto a ser definido é a homossexualidade. Nisso a Igreja se encontra totalmente às escuras. O movimento homossexual é quem está a quilômetros das incertezas e das inseguranças que envolvem as lideranças religiosas, pois após décadas, criaram seus próprios redutos religiosos, onde pastores, padres, bispos e fiéis louvam a Deus dentro do seu contexto, sem sofrer discriminações.

A discriminação e a ignorância se tornaram os elos entre sexualidade e seus desafios, como movimento feminista, homossexuais e aborto. Em todo o mundo, utiliza-se a linguagem da discriminação ou do descaso. A Igreja, incluída nisso, se torna sem voz diante das indagações que ressoam no púlpito e na vida diária da Igreja.

Conclusão
A sexualidade é o grande desafio para a Igreja, pois desde o final da II Guerra Mundial a Igreja vem seguindo o avanço do mundo. Hoje, a Igreja sabe mais sobre o sexo, porém tende a falar cada vez menos sobre ele.
Não se discute o suficiente. As classes de ensino, as homilias, as músicas falam de batalhas, falam de soluções, falam de prosperidade, de cura, porém falam pouco do verdadeiro conflito do ser humano.

A Igreja ainda é a resposta para uma sexualidade sadia, em meio ao caos de um mundo com valores distorcidos. Este é o grande desafio a ser vencido por líderes religiosos.

Bibliografia
White, John. O Eros redimido. Niterói, RJ: Ed. Textus, 2004.
Exley, Richard. Os 7 estágios da tentação. São Paulo: Ed. Vida, 2000.
Valle, Edênio. Sexualidade humana e experiência religiosa. IX Semana de Estudos de Religião – UMESP. São Paulo, 2005.

(UMESP – FaTeo – Outubro de 2008)
Anúncios
Esse post foi publicado em Igreja e Sexualidade e marcado , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Sexualidade Humana e Experiência Religiosa

  1. Rosenilda Bandeira de Oliveira disse:

    Eu gostaria de ter lido um posicionamento sobre o assunto. É claro para todos nós o viés em que se encontra a igreja. Há igrejas evangélicas homossexuais. Há pastores (as) no adultério. Há verdadeiras guerras familiares pelo poder dentro da igreja. Enfim, o desafio é notório. Pergunto: Como devemos proceder?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s